domingo, 29 de abril de 2012


Olho para o horizonte, vejo as nuvens envolvidas no azul do céu, sinto o sol a reflectir o seu brilho e calor para mim, esqueço - me do mundo que me rodeia, procuro - te. Ando para a frente, ando para trás e para os lados, olho em minha volta, não te vejo. Baixo - me, salto e rodo, continuo sem te ver. Dou um passo em frente, caminho quilómetros e ando milhas, não te encontro. Tento voar como um pássaro, andar debaixo da terra como uma toupeira e nadar como um peixe, nem te sinto perto. Vou andar de balão de ar quente, de avião e de foguetão, não encontro o teu rasto. Substituí-o os meus olhos por uns de lince, o meu nariz por um focinho de cão e as minhas orelhas por umas de gato, não te cheiro nem te oiço. Meto - me na 'pele' de um carro de corrida, de uma mota e de uma bicicleta para percorrer o país, não estás em parte nenhuma. Mas afinal, quem és tu? Será que és algo do outro mundo, o vento que leva as folhas de outono caídas no chão, o frio que mata as flores de primavera, o calor que queima as caras pálida, a estrela que nos indica para que lado é o norte, o sonho de uma criança, a água que corre nos rios e dá vida aos peixes, o oxigénio que me deixa viver, o choro de um recém-nascido. Eu não sei, não te consigo ver, tocar, nem cheirar. Continuo à tua procurar sem parar um único segundo até o cansaço me esgotar, não obtenho resultados. Reflicto sobre onde te procurei, foram todos os lugares possíveis e imaginários. Onde estás tu? Será que estás dentro de uma casa, num jardim, num outro continente, num outro planeta, espalhado por aí. Quero - te encontrar e não consigo, dou voltas à cabeça, penso e repenso mas nada. Parece que te escondes de mim, que não te mereço sentir ou que nem sequer tenho direito de pronunciar o teu nome. Parece que tens medo de entrar em mim, de te poderes apoderar de mim. Mas porquê? Será que não tenho o mesmo direito que os outros, que devia sentir o teu oposto e nunca a ti. E outra vez, mas afinal quem és tu? Obtive uma resposta ao ouvido baixinho: " sou o amor ".

Um comentário:

  1. Gosto muito do texto :$
    E do blog também, vou seguir (:*

    ResponderExcluir